segunda-feira, 9 de junho de 2014

A Palavra de Deus



Ás vezes, a nossa humanidade exacerbada pode nos levar a interpretações equivocadas de Deus e isto também é uma artimanha do Demônio. Pois, em tudo há uma doze de amor, até mesmo na pessoa que pratica o aborto, ou seja, há coisas que jamais se pode relativizar e uma delas é a Palavra de Deus. Dar margem a infinitas interpretações bíblicas é construir uma torre de Babel. A igreja tem uma missão que é ser zeladora e guardiã da Palavra de Deus. 

Ataíde Lemos

domingo, 4 de maio de 2014

Sopro de Deus



Para que a vida fosse gerada foi necessário o Sopro de Deus. Este sopro pode ser entendido de diversas formas como o sopro em Adão que lhe gerou a vida; o sopro de Deus que entre milhões de espermatozoides te levou  ao óvulo e você foi gerado. Enfim, o Sopro  introduziu Deus em você. Portanto, és muito precioso, porque o que te mantém vivo é este Sopro de Deus em ti é Deus em ti e é por este Deus em ti que Ele se entregou por você.

Ataíde Lemos 

sexta-feira, 18 de abril de 2014

Sexta-feira Santa




Sexta-feira Santa

Se no Domingo de Pascoa celebraremos a vitória da vida sobre a morte, na Sexta-feira Santa, celebramos o mistério do amor de Deus, que vai até as ultimas consequências por cada um de nós. Um amor que se doa a própria vida; um amor que ultrapassa as fronteiras da razão humana para que através da morte de Jesus e morte de cruz, toda humanidade seja resgatada.

Sexta-feira Santa, um dia de silêncio, porque ele fala mais que as palavras. Um dia de reflexão sobre o mistério do sofrimento. Jesus (Deus Filho) em tudo foi semelhante ao homem, menos no pecado. Nasceu de uma mulher, viveu entre meio a injustiça, foi amado por muitos, rejeitado por tantos. Jesus teve provações como qualquer ser humano tem, sorriu, chorou, teve fome e também passou pela morte, não uma morte natural, uma morte acidental, mais uma morte cruel, um assassinado exigido pela sociedade e legalizado pelo Estado. Uma morte num estado de abandono por tantos que o seguiam.

Jesus não foi entregue para a morte, mas, foi ao seu encontro como um cordeiro ao matadouro. Não foi vencido pela morte, mais se doou a ela em silêncio, carregando sobre a cruz toda a iniquidade da humanidade. Este foi o alto preço pago pelo nosso resgate.

Sexta-feira Santa, um dia de refletirmos o sofrimento. O sofrimento das doenças físicas e emocionais. Refletirmos os mais diversos tipos de sofrimentos; do sofrimento das perdas; do sofrimento daqueles que sofrem e não se dão conta dele. Do sofrimento gerado pelos grandes males como as drogas e tantas outras formas de prisões. Do sofrimento pela falta de esperanças.

Sexta-feira Santa não é um dia histórico, para ser lembrado como um fato acontecido, mas, para revivermos todo este mistério de amor de Deus que nos envolve. O mistério da loucura, até aonde chega o amor de Deus por cada um de nós. Um dia de olharmos para Jesus na cruz e sermos curados como aquele soldado foi com o sangue de Jesus ao feri-lo seu coração com a lança.  Mas também, é um dia de refletirmos nossas misérias e analisarmos até que ponto chega o egoísmo do ser humano, capaz de sacrificar o próprio Deus. Quantas e quantas vezes, agimos da mesma maneira sacrificando Jesus nas pessoas de nossos irmãos quando omitimos enxerga-lo em estado de morte, de sofrimento. Quando olhamos apenas para nós sem agir com pequenos gestos em favor de tantos irmãos excluídos e sofredores?

Enfim, Sexta-feira Santa, é um dia de interiorização, um dia de silêncio, um dia de tristeza, mas, sobretudo, um dia para contemplarmos o grande mistério de amor.  Um dia de olharmos para Jesus na cruz e deixarmos ser envolvidos pelos sentimentos espirituais para que o Espirito Santo nos revele o Mistério da Paixão de Cristo em nós.


Ataíde Lemos 

domingo, 9 de março de 2014

Literatura em Foco

 Literatura em foco

Todos os Domingos apresento o programa Literatura em foco, na radio Difusora Ouro Fino, que vai ao ar das 9:10 as 9;25. Um programa de frases, mensagens e poesias. Você também pode participar do programa através da página do Facebook https://www.facebook.com/pages/Literatura-em-Foco/602295606532007 Para acessar o site da radio clicar na imagem.

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

A cruz



A cruz

Por que a cruz antes símbolo de sofrimento, de morte torna-se símbolo de amor e de salvação? Por que motivo adorar a cruz?

A cruz tem muitos sentidos e o maior dele que nos parece ser é o sofrimento. É também uma pena, ou seja, a cruz foi um dos meios de condenação à morte muito usado no tempo de Jesus. Porém ele antes de ser morto e morte de cruz, como nos diz são Paulo, muitas vezes, se referiu a cruz, não propriamente a sua morte, embora, também se referisse a ela, mas, dizia “quem quiser ser meu discípulo toma sua cruz e me siga...”. Em suma, a cruz na nossa vida é inevitável, isto é, não há como viver sem passar pelo sofrimento. De uma maneira ou de outra passamos pela cruz e são varias não apenas uma ao longo da vida. Há cruzes que nós mesmos construímos e há outras que nos são impostadas. No entanto, é preciso carrega-la. Carrega-la com fé, mas, sobretudo com esperança, pois, a cruz tem o poder de nos salvar. A cruz pode nos curar na medida em que fazemos dela uma oportunidade de refletir a vida e deixar de olhar para ela como amargor, de de maneira egoísta e desespero.

Jesus ao passar pela cruz ele a transforma em salvação. Ele santifica-a santificando assim todo o sofrimento. Ele sendo Deus, se coloca como nós e a sua ressurreição transforma em vitória sobre a cruz.

Costumamos sempre ouvir que é pelo sofrimento que crescemos; é pelo sofrimento que aprendemos e assim, transformamos em pessoas melhores. Tornamos pessoas mais sensíveis, mais humanos, menos julgadoras e preconceituosas. Então que bem enorme a cruz nos proporciona? Quantas oportunidades Deus nos oferece para melhorarmos através da cruz? Evidentemente, Ele não se compraz com o sofrimento, Ele não sente-se feliz com a nossa dor, pois, nossa dor, dói nele também, no entanto, se não há como evitar o sofrimento, se não há como fugir da cruz, porque não aprendermos a olhar para ela e encara-la como símbolo de salvação para nós?

O cristão (católico) adora a cruz, pois, ela a partir de Jesus torna-se um dos maiores símbolos de salvação, porque ele próprio passou por ela, sem reclamar como um cordeiro rumo ao matadouro. Ele viveu a cruz do sofrimento, da indiferença; o sofrimento do abandono, da rejeição, da negação, porém, sofreu em silêncio e a Palavra diz “o servo não é maior que seu senhor”.

Enfim, é difícil entender o grande mistério do amor pela cruz, ou de adorar a cruz, mas, em Jesus podemos deixar-se entregar neste mistério do amor e da esperança que nos santifica através da cruz.

Ataíde Lemos

Escritor & Poeta 

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Parábola do bom samaritano II





Parábola do bom samaritano II


Este final de semana estive na Canção Nova e assisti às palestras dos padres Reginaldo Manzotti e Fabio de Melo, cuja reflexão do acampamento se deu sobre o tema a felicidade e cura interior.


A palestra do padre Reginaldo Manzotti foi trabalhada a partir do evangelho segundo Lucas cap. 10, 25-37, onde um mestre da lei querendo pôr Jesus em dificuldade lhe provoca perguntando o que se deve fazer para entrar no reino dos céus e pergunta a Jesus quem é nosso próximo. No entanto, diante desta provocação Jesus nos ensina de como agirmos para primeiro, saber quem é o nosso próximo e segundo, nos leva a encontrar nele o bom samaritano que tem o total cuidado para conosco em curar as nossas emoções e nos proporcionar a verdadeira felicidade.



A interpretação feita pelo padre Manzotti, me fez também refletir este evangelho, não apenas observando o segundo mandamento “Amar o teu próximo como a ti mesmo”, mas sim, refletir o bom samaritano que é Jesus, aquele que não nos pergunta quem somos, mas nos acolhe, cura nossas dores e permanece conosco para sempre. Jesus é aquele que pode nos curar; que deseja nos curar. É aquele que não nos questiona a nossa fé, a nossa vida, o que fazemos, pelo contrario, ele nos vê caído, dá-nos as mãos e nos cura.



A felicidade é uma busca que constantemente estamos procurando, alias, nascemos para ser felizes, esta nem deve ser a nossa meta, mas sim, nossa vivencia. Há varias tipos de felicidades como receber uma boa noticia, adquirir um bem de consumo, realizar um sonho; a ausência de dor, o prazer, enfim, muitas situações nos proporcionam a felicidade. 

Muitas felicidades a quais buscamos são licitas, no entanto, há outros tipos de felicidades que desejamos são ilícitas, ou seja, são felicidades que podem nos levar a infelicidade como provocar também no outro. Além do que há felicidade desejadas que geram em nós dores e doenças no corpo e no espirito. Ou seja, certas felicidades constroem em nós infelicidades profundas levando-nos a um estado de morte emocional.

Às vezes, dizemos que o melhor remédio é o tempo, que o tempo cura. Poeticamente, o tempo cura, mas na realidade não é bem assim, o tempo apenas armazena a dor, mas que num simples tocar ela retorna novamente. A cura é a libertação da dor, não o esquecimento, mas sim, um novo olhar para ela e somente Jesus pode transformar este acontecimento nos curando e também ele é o bom samaritano onde encontramos a verdadeira felicidade. 

Enfim, Jesus é este próximo citado no evangelho do bom samaritano que está muito próximo de nós e sempre atento a nos proporcionar felicidade verdadeira e curar nossas feridas. É este que, embora, muitos passam por nós e não consegue nos ver doentes, feridos, caídos ele não pergunta nosso nome e nem porque estamos daquele jeito, mas sim, nos cura devolvendo a felicidade.

Ataíde Lemos

Escritor & Poeta 

Padre Fabio de Melo



O que admiro no padre Fabio de Melo e acredito ser um dos motivos de ser querido e ovacionado pelos católicos e até mesmo por pessoas de outras religiões é sua humildade, sempre demostrando que vive aprendendo e se convertendo o tempo todo. Um padre misericordioso na sua forma de ser, respeitando e defendendo cada pessoa na sua individualidade em todos os sentidos.  Em suas pregações ele exorta os cristãos a não julgar e serem misericordiosos através da sua intelectualidade e espiritualidade samaritana traduzida em exemplos da sua história de vida. 

Ataíde Lemos 

domingo, 28 de julho de 2013

A semente foi plantada


A semente foi plantada

É imprevisível fazer previsões assertivas do que ocorrerá no Brasil, especialmente, em relação aos jovens em termos de espiritualidade após a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) ocorrida, porém, o que podemos destacar é que há no brasileiro a esperança, mesmo diante tantas ideologias de morte ou de paganismo que se procuram inserir na sociedade e principalmente, nos jovens.

Esta grande manifestação de fé ocorrida na JMJ acolhida pelos jovens e por todos que puderam acompanhar pelas tevês abertas comerciais e também pelas tevês católicas, certamente, trouxe um novo ardor e revigorou a fé de muitos brasileiros que se declaram sem religião ou que se afastaram da igreja e agora possam sentir estimulados a voltarem para ela.
               
Outro ponto fundamental a se destacar da JMJ é a mensagem que ela trouxe a Igreja do Brasil, da necessidade de proporcionar a juventude o seu devido papel que é ser protagonista desta nova evangelização. Acredito que a CNBB, deverá acolher as palavras do papa Francisco e proporcionar esta nova realidade evangelizadora procurando dar oportunidade a juventude brasileira ser este protagonista dando mais oportunidades para ele como também ir ao seu encontro seja onde ela (juventude) esteja.

O mundo oferece para a juventude muitos venenos em forma de manjares que pouco a pouco tem destruído lhes, tanto seu corpo quanto a sua alma. Venenos que tem abafado a luz do Espirito Santo que há em cada pessoa. A igreja tem este papel essencial que é de oferecer ao jovem o manjar verdadeiro que é Jesus Cristo nos corações deles, para que possam sentir prazer e revigorados também levar este manjar a outros jovens que estão sendo envenenado pelo mundo é pelo inimigo de Deus.

                Muitas vezes, os pastores para atrair os jovens ou manter aqueles que estão ingressados na igreja, usam de uma pedagogia do medo, rotulando os engajados como s  escolhidos e os que estão dispersos como os perdidos, como se tivessem feito uma opção inversa a Jesus Cristo. Penso que esta forma de evangelização precisa mudar, ou seja, a igreja ser mais misericordiosa e falar mais a linguagem dos jovens e através desta juventude engajada ir ao encontro das ovelhas dispersas e de certa, forma sofredora por não estar se alimentando do verdadeiro alimento que é o Jesus. Muitos jovens que estão sendo seduzido pelo inimigo de Cristo ocorre devido à exclusão que muitas vezes, a própria igreja faz, ainda que inconsciente.

                Enfim, que possamos colher muitos frutos da JMJ e que as palavras do papa Francisco, não morram com a sua partida e que de fato, ela tenha sido fecundada na juventude que participou do evento diretamente e de todos nós que também participamos através das tevês, mas, principalmente, em nossos pastores que tem como dever fomentar a esperança de que o papa Francisco tanto pediu. A juventude é a protagonista desta nova evangelização desde que nossos pastores permitam que eles sejam.

Ataíde Lemos

Escritor & Poeta 

A Igreja e o fogo do Espirito Santo




A Igreja e o fogo do Espirito Santo

Esperar unanimidade da sociedade é apenas um desejo, porém, impossível, neste sentido, há sempre aqueles que divergem, criticam e protestam. Estas atitudes e manifestações fazem parte do direito a liberdade, fazem parte da subjetividade humana e das diversas correntes ideológicas de um povo e também do livre arbítrio.

A Jornada Mundial da Juventude (JMJ) é uma inspiração do Espirito Santo para fomentar a igreja de Cristo, num ardor missionário, colocando seu fogo para não permitir que o futuro da igreja, que passa pela juventude, perca sua força sendo sucumbida pelo mundo sectário, individualista, egoísta que está caminhando para um ateísmo ou uma crença sem compromisso com a fé.

A JMJ além de produzir este fogo do Espirito Santo na juventude, ele faz acontecer uma sintonia entre a Igreja episcopal e clerical com os jovens, ou seja, a igreja instituição promove uma catequese numa linguagem da juventude e a juventude rejuvenesce a igreja, trazendo a ela a linguagem dos jovens e assim ocorre uma sincronia perfeita para o futuro da igreja e de um mundo melhor onde podemos vislumbrar a esperança em dias melhores.

Há necessidade de uma nova evangelização, onde a juventude seja a protagonista de Cristo no mundo atual. A igreja precisa sair dos templos e estar junto a povo evangelizando e apresentando este Jesus missionário que estava ao lado do povo, cuidando das feridas e ao mesmo tempo anunciando a Boa Noticia.

A cada tempo é um novo tempo e há necessidade de uma nova linguagem para transmitir o que Jesus ensinou a dois mil anos atrás que são as pedras fundamentais para que vivamos o Reino dos Céus entre nós.  

É maravilhoso quando vemos nesta JMJ os cardeais, bispos e padres fazendo a coreografia acompanhando as músicas com os jovens, ou seja, nossos pastores de 70, 80 anos acompanhando na dança a linguagem dos jovens.  Isto episódio é algo a se destacar nesta JMJ.

                Sempre digo em meus textos, que Deus de tempo em tempo renova a igreja, provocando nela um novo fogo, quando sente que este fogo está diminuindo na humanidade. Foi assim, através de vários santos como, por exemplo, São Francisco que foi um grande renovador da igreja e tantos outros que com seus modelos de vida e de fé acenderam o fogo na igreja. Foi assim, com a chama do Espirito Santo através de João XXIII com o Concilio do Vaticano e também com o surgimento da Renovação Carismática Católica. Acendeu o fogo com a nomeação do papa João Paulo II que realmente, foi um imenso fogo do Espirito Santo, cujo seu papel foi tão essencial para a igreja que após pouco tempo já se tornou o Santo.

                Papa João Paulo II instituidor da JMJ o qual através de seu papado provocou na igreja inúmeras obras espirituais que fomentou a fé e também acendeu o fogo do Espirito Santo na igreja.

                Agora temos o papa Francisco que através de gestos de desapego e humildade tem provocado em todos, principalmente, na juventude um novo fogo do Espirito Santo, que vem de encontro com o que a juventude quer e espera, ou seja, uma igreja simples, humilde e desapegada de seus bens materiais. Enfim, Deus caminha com o povo e quando nós humanos pensamos que tudo está perdido Ele (Deus) renova todas as coisas.

Ataíde Lemos

Escritor&Poeta 

sábado, 27 de julho de 2013

Maria mulher incomparável



Maria mulher incomparável 

Não precisa de Maria para chegar até Jesus
Ele está onde todos podem encontrar
Basta olharmos para ele e veremos sua luz
Que em qualquer lugar estará nos iluminar.

Mas, Maria é mãe de Jesus, mulher admirável
Que encontrou graça diante aos olhos de Deus
Portanto, ela é uma mulher incomparável
Entre tantas, foi quem Deus amou e escolheu.

Maria, mulher simples e estrela guia
Rainha dos céus por Deus foi eleita
Que dá todos que a procura, paz e alegria.

Maria que tem na carne toda a experiência
Da misericórdia, da dor, da esperança e do amor
É seta que nos apresenta Jesus nosso Senhor.

Ataíde Lemos

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Papa Francisco II



Papa Francisco II

Teus simples gestos falam
mais que mil palavras;
Teus simples atos
tem simbologia 
que transformam corações,
e tuas pequenas frases
penetram na alma.
Enfim, teu jeito simples de ser
transmite a paz
anunciando Jesus.
Ataíde Lemos

A igreja e o mundo



A igreja e o mundo

Há algumas verdades da igreja católica que jamais poderão ser revistas e por isto são denominados dogmas porque sãos imutáveis, simplesmente porque são pedras fundamentadas por Jesus Cristo. Alias, nem a igreja católica e nem qualquer religião evangélica séria, jamais terá uma posição contrária. Por exemplo, jamais a igreja será a favor de qualquer intervenção humana que tira a possibilidade de impedir o nascimento de uma vida como aceitar a interrupção da vida pelo aborto provocado ou mesmo medicamentos anticoncepcionais que impeçam o surgimento de uma nova vida ou que provoque o aborto. Como também, jamais aceitará o casamento entre pessoas do mesmo sexo, pois, isto vai contra os princípios não só os cristãos, mas, vai além, pois já no primeiro livro da Bíblia, diz “ Deus fez homem e a mulher”, e Jesus afirma: “o homem deixará sua família e unirá a sua mulher formando uma só carne” .


Enfim, estes são fundamentos evangélicos que norteiam a fé cristã e mudar de posição é ir contra toda a fé. Portanto, alguns ativistas quererem ou imaginar esta possibilidade é utopia e demonstra total desconhecimento do cristianismo.

No entanto, é importante afirmar que mesmo a igreja católica jamais abrindo mão destes dogmas é acolhedora e está contextualizada com a realidade contemporânea, isto é, acolhe, ama e perdoa todos aqueles que por um motivo ou outro acabam cometendo atentados contra a vida, não que ela se finja de cega, surda e muda, mas que o amor e a misericórdia de Jesus é maior que a sua justiça e a igreja como sendo este sinal visível de Jesus aqui na terra precisa agir com este mesmo espirito. Portanto, todo aquele que comentem tais pecados são acolhidos pela igreja e a partir do seu consciente arrependimento jamais deixam de serem acolhido por ela.

Muitas vezes, o que nos falta é a humildade de nos reconhecermos pecadores, entender e aceitar que há certos pecados que cometemos que temos arcar com as consequências e que a igreja não deve adequar a nós, mas, sim nós adequarmos as normas de Deus e no caso Jesus, que através de suas palavras e ensinamentos nos orienta como ser seu discípulo e entendermos que todo o pecado gera um mal seja ao meu irmão, a nós mesmo que acaba por fim, desaguando no coração de Deus. 

Portanto, não desejamos querer mudar as palavras de Jesus para satisfazer as nossas exigências, egos ou minimizando nossos pecados, mas sim, deixarmos sermos acolhidos por ele e pela igreja qual papel fundamental é continuar a missão de Jesus através do Espirito Santo.

Ataíde Lemos

Escritor & Poeta

terça-feira, 23 de julho de 2013

Ave Maria de graça plena



Ave Maria de graça plena

Ave Maria, mãe de Jesus
Senhora bendita que trouxe a luz
Que veio dissipar a escuridão
E iluminar o nosso coração.

Ave Maria mãe do meu Senhor
Que trouxe até nós o Salvador
Mulher de fé que Deus tanto amou
Que para ti este Mistério a entregou.

 Ave Maria entre as mulheres é bendita
Que de pequena tornou-se grande
Por abrires a porta para o nascimento da vida.

Ave Maria de graça plena
Mãe amada pelo menino Deus
Que o teu santo vente concebeu.


Ataíde Lemos
Escritor e poeta 

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Papa Francisco


Papa Francisco 

Francisco é seu nome adotado
Fazendo alusão ao grande santo
Da humildade, da pobreza
A qual fazia dela sua grande riqueza.

Francisco, carismático pela alegria
De semblante sereno e acolhedor
O qual transmite paz, simplicidade e amor
Em seu jeito de ser no seu dia a dia.
Sem protocolos e honrarias
Apenas um servo do Senhor.

Francisco o papa zeloso
Para com os princípios cristãos
Mas, que acolhe a todos como irmãos
Sem fazer qualquer distinção
Em gesto nobre de humildade
Ao assumir  seu pontificado
Pede a todos muitas orações.
E em atitudes simbólicas
Dispensa pompas e regalias
De que tem direito
Para ser como Francisco seu inspirador
O importante é ver no irmão
Toda a sua beleza e riqueza.

Ataíde Lemos
Escritor & Poeta